19 de Janeiro de 2019

(67) 3521-0808


Home
Meio Ambiente Cidade Política Geral Poesias Economia Acontecimentos Dr. Sérgio Luís Entretenimento Esporte
Fotos Vídeos Contato 103 Anos de Três Lagoas
×





09/11/2018

Azambuja vai extinguir e unir pastas para reduzir a máquina

Pedro Chaves é o mais cotado para Educação, e outros nomes já foram citados para secretarias
O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), quer começar o novo governo com fusão e extinção de secretarias para reduzir o tamanho da máquina administrativa. Alguns nomes do primeiro escalão não caminharão no segundo mandato do governador. O senador Pedro Chaves (PRB), que desistiu de concorrer à reeleição e declarou apoio a Azambuja – contrariando seu partido, que apoiava o adversário na eleição, juiz Odilon de Oliveira (PDT) –, vai ganhar espaço no segundo governo de Azambuja. Ele é o nome mais cotado para assumir a Secretaria de Educação, que seria incorporada à pasta da Cultura, em substituição à mestre em Educação, Maria Cecília Amendola da Motta. Em entrevista ao Correio do Estado, o senador não quis dizer qual secretaria deve assumir. “Azambuja disse que me quer no governo, mas não recebi nenhum convite oficial nem sei para qual secretaria iria. Não sei se a de Administração ou de Educação”, limitou-se a dizer. Chaves comentou também que está em Brasília e vai se reunir com o governador, na próxima semana. “Tenho simpatia por qualquer lugar no governo do Estado. Azambuja foi vitorioso, vamos nos encontrar em uma semana. Se tiver o convite, assumiria, depende da secretaria”. Antes de completar a mudança, Azambuja poderá ser obrigado a buscar uma nova opção para a secretaria de Saúde. O nome indicado para a pasta é o do deputado federal Geraldo Resende (PSDB), não reeleito, apesar de ter ficado em 5º lugar, com 61.675 votos. Mas, com a indicação da deputada federal Tereza Cristina (DEM) para o ministério da Agricultura, Geraldo, na condição de primeiro suplente, deverá optar por permanecer na Câmara dos Deputados. Resende informou não ter recebido nenhum convite formal ainda, mas Azambuja o quer no governo. “Mas com essa nova situação, de Tereza Cristina ser confirmada no ministério, algumas coisas podem mudar”. O deputado disse que vai conversar com o governador, para poder decidir o que será melhor para o Estado. “Azambuja disse que gostaria de continuar comigo como colaborador, não disse o espaço, mas que era para exercer uma missão próxima e importante do governo”, declarou. Caso Resende opte pela secretaria de Saúde, quem pode assumir a cadeira na Câmara dos Deputados pode ser Bia Cavassa, que recebeu 17.834 votos e foi a 17ª mais votada nas eleições deste ano. Se isso acontecer, ela tira a vaga do deputado Elizeu Dionizio (PSDB). Dionizio seria o segundo suplente, se dependesse da contagem dos votos. Ele foi a opção de 37.073 eleitores, quantidade não suficiente para assumir uma vaga na Câmara Federal. O deputado está na coligação do PSDB, porém, como os tucanos fizeram várias alianças, foram criadas duas chapas – o PSB ficou na segunda. Isso explica por que Bia entraria no lugar de Tereza, mesmo tendo recebido quase 20 mil votos a menos em comparação com Elizeu Dionizio. Outro nome confirmado a deixar o governo é o do secretário de Fazenda, Guaraci Luiz Fontana. A saída dele foi muito especulada, já que é um homem de confiança de Azambuja. A assessoria de Guaraci negou a saída dele, porém, fontes seguras já deram como certa a troca de secretários da pasta. Nenhum nome substituto foi revelado.

Correio do Estado

 

Versão Impressa



Mais Lidas

    
  1. Renovação de frota motiva venda de caminhões usados
  2. BANDA KORRERIA 77 É ATRAÇÃO NO ENCERRAMENTO DO MOTO SHOW 2014
  3. ASFALTOS ESTADUAIS NO BOLSÃO CONCLUÍDOS
  4. Centro Cultural recebe obras do Marco para a exposição “Brasil Central”
  5. Fundação de Cultura realiza Oficina de Cerâmica de Bichos do Pantanal em Alcinópolis